Novo Mundo

Vivemos numa época muito interessante e rica em possibilidades. Ao nível mais profundo da consciência, uma transformação espiritual está a produzir-se de uma maneira radical. Num plano universal, parece-me que somos convidados a abandonar a nossa maneira actual de viver para criar uma outra, completamente nova.

Estamos de facto num processo de destruição do nosso antigo mundo e de construção de um mundo novo que o substitua. ( Shakti Gawain) Emocionaltur

Maralgarve

Mar do Algarve na Internet

Foi hoje inaugurado o site Maralgarve, um projecto que pretende englobar desde notícias a diários de bordo, passando por projectos de investigação ligados ao mar.

O site, disponível em www.maralgarve.com, quer assumir-se como um pólo que disponibilize vários tipos de serviços e informação relacionada com o mar, com uma vertente comercial, mas ao mesmo tempo mantendo uma forte vertente científica, com estudos nacionais e internacionais.

Local & Blogal

Sevilha ao cair da noite, Maio 2006, © António Baeta Oliveira

Regressei de onde sempre estive.
Para além do teor formal das comunicações dos especialistas e das visitas especializadas, o encontro dos afectos e das sensibilidades: de portugueses, espanhóis e marroquinos; de muçulmanos, cristãos, judeus ou sem religião; dos que se expressavam em português, em castelhano, em francês, em árabe, em hebraico, em dialectos berberes ou judeo-marroquinos.
No meio de tanta diferenciação, o seio de uma civilização comum, a vontade e a urgência de um diálogo sobre o que nos identifica e que se manifestou na amizade que soubemos construir. (Local & Blogal) © António Baeta Oliveira

João Garcia

Kangchenjunga

Site sobre a expedição do Garcia: http://sic.sapo.pt/online/blogs/joaogarcia/

A Vida


“A vida é uma pedra de amolar: desgasta-nos ou afia-nos, conforme o metal de que somos feitos.” (George Bernard Shaw)

As Mãos

                        As mãos

"Com mãos se faz a paz se faz a guerra.

Com mãos tudo se faz e se desfaz.

Com mãos se faz o poema – e são de terra.

Com mãos se faz a guerra – e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.

Não são de pedras estas casas

mas de mãos. E estão no fruto e na palavra

as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no Tempo como farpas

as mãos que vês nas coisas transformadas.

Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor cada cidade.

Ninguém pode vencer estas espadas:

nas tuas mãos começa a liberdade."

Manuel Alegre, O Canto e as Armas, 1967